James Gunn entende críticas de Scorsese, mas rebate: "Não viu meus filmes"

Publicado em 04/08/21 17:00

James Gunn abordou as críticas de Martin Scorsese a filmes de super-heróis, e especificamente da Marvel, em uma nova entrevista ao podcast Happy Sad Confused. O diretor de Guardiões da Galáxia e do novo O Esquadrão Suicida disse concordar, em princípio, com muitos pontos de Scorsese, mas também comentou que "ele nunca viu seus filmes".

"Eu acho que é infelizmente cínico que ele tenha ficado atacando a Marvel, e que isso tenha sido a única coisa que deu cobertura de imprensa para o filme dele. Ele está criando o filme dele na sombra dos filmes da Marvel, então usa isso para conseguir atenção para algo que não estava rendendo tanta atenção quanto ele gostaria", começou Gunn.

O diretor declarou também, no entanto, que admira o trabalho de Scorsese, "um dos maiores cineastas que já existiu", e que concorda com muitos pontos das críticas dele aos filmes de super-heróis. "Há muitos filmes espetáculo sem coração, sem alma, por aí. Isso não reflete o que deveria estar acontecendo na indústria", disse.

"Eu não consigo nem contar quantas vezes falei com diretores antes de eles irem até um grande estúdio fazer um filme gigante, e disse: 'Hey, estamos nessa juntos, vamos fazer algo diferente com esses filmes grandes. Vamos fazer com que eles sejam algo diferente daquilo que veio antes'. Mas depois disso eles iam trabalhar e tinham que ceder a todas as demandas dos estúdios, e então ficavam enojados, francamente, com tudo isso", continuou.

Finalizando sua resposta, Gunn disse que não levou as críticas de Scorsese para o pessoal. "Muito do que ele disse foi bom, e além disso... Ele não viu os meus filmes. Ele não sabe como são os meus filmes", completou.

Veja a declaração completa no vídeo:

As declarações de Scorsese

No final de 2019, enquanto promovia o lançamento de O Irlandês, Martin Scorsese declarou que os filmes da Marvel "não são cinema" durante uma entrevista. Mais tarde, o diretor de clássicos como Taxi DriverO Lobo de Wall Street elaborou sua opinião em um artigo para o New York Times.

No texto, o cineasta afirmou que sua opinião é baseada na forma de se consumir e produzir filmes de franquia, cada vez mais dominantes nas salas de cinema atuais, dando menos espaço para trabalhos originais. Para o diretor, a situação atual de Hollywood é comparável ao dilema do “ovo e da galinha”, pois quanto mais os estúdios produzem aquilo o que o público que consumir, mais os espectadores se acomodam com a “falta de riscos” apresentada pelos cineastas.

Em sua conclusão, Socrsese afirmou que o cenário atual de Hollywood se tornou inóspito para “quem sonha em fazer filmes ou está começando a carreira agora”.

Fonte: Omelete // Caio Coletti