Diretor de "Vingadores": Fãs devem estar prontos para "rir e chorar" no filme

Publicado em 02/04/19 11:00

Com o lançamento de um novo trailer de "Vingadores: Ultimato" e a abertura da pré-venda de ingressos, o codiretor Joe Russo (que assina a aventura com o irmão, Anthony) conversou com o site do Fandango sobre o seu trabalho no filme e o que os fãs devem esperar dele.

Russo comentou que o longa está quase pronto para o seu lançamento em 25 de abril nos cinemas. "Estamos na última semana, ou no máximo duas semanas. Completamos a trilha sonora, estamos terminando a mixagem de som e os efeitos especiais", revelou.

Perguntado se o final de "Vingadores: Ultimato" traria um baque tão poderoso quanto a destruição de vários heróis (e metade dos seres vivos do universo) em "Guerra Infinita", o diretor contou que os fãs devem estar preparados para uma gama de emoções.

"É muito importante para nós levar os personagens, o público e a história para um lugar que ninguém esperaria", disse. "Queremos que este lugar seja empolgante, mas também desafiador, porque gostamos que nossas histórias tenham camadas, e sejam complexas".

"Queremos rir, queremos chorar, queremos pensar, queremos ficar empolgados e assustados. Queremos todo o espectro de emoções que podemos colocar em uma história -- é assim que trabalhamos em todos os nossos filmes", continuou.

Russo também comentou quais filmes os fãs devem assistir (ou rever) antes de entrar em sua sessão de "Ultimato". "Nós sempre buscamos criar algo que até as pessoas que nunca viram outro filme da Marvel podem gostar, achamos que isso é importante. Ao mesmo tempo, há uma história maior aqui", disse.

O diretor indicou "Os Vingadores" (2012), "Vingadores: Era de Ultron" (2015), "Capitão América: Guerra Civil' (2016) e, é claro, "Vingadores: Guerra Infinita" (2018) como os principais filmes que influenciaram a narrativa de "Ultimato".

No caso de "Guerra Civil", a fratura no relacionamento entre os Vingadores, e especialmente entre o Homem de Ferro (Robert Downey Jr) e o Capitão América (Chris Evans), é essencial.

"Aquela relação foi cortada ali, e eu acho que isso os colocou em uma posição vulnerável quando Thanos chegou em 'Guerra Infinita'. Podemos dizer que este é parcialmente o motivo que levou à derrota dos Vingadores naquele filme, porque eles estavam divididos", comentou Russo.

Fonte: UOL Cinemas // Caio Coletti