Oscar 2021 | Documentário sobre Hector Babenco representará o Brasil

Publicado em 18/11/20 15:00

A Academia Brasileira de Cinema escolheu o representante nacional no Oscar 2020. Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, de Bárbara Paz, foi o filme escolhido para disputar uma vaga na grande premiação do cinema.

O documentário acompanha a vida e a obra de Hector Babenco, um dos maiores nomes do cinema brasileiro que comandou longas como Pixote (1981) e Carandiru (2003). O longa é obra de Bárbara Paz, ex-esposa de Babenco. O diretor, nascido na Argentina em 1946, faleceu em 2016 aos 70 anos de idade.

O filme, que toma abordagem bastante poética sobre as memórias e legado do cineasta, já foi premiado no Festival de Veneza 2019, quando levou o troféu de Melhor Documentário da mostra Venice Classics - saiba mais.

A decisão de ter Babenco como representante brasileiro na premiação foi tomada por um comitê de profissionais da Academia Brasileira de Cinema, composto por André Ristum (diretor e roteirista), Clélia Bessa (produtora), Leonardo Monteiro de Barros (produtor de cinema e TV), Lula Carvalho (diretor de fotografia), Renata Maria de Almeida Magalhães (produtora) e Toni Venturi (diretor), também com a presença da presidente Viviane Ferreira (diretora e roteirista).

Babenco fazia parte de uma lista de 19 filmes brasileiros, e foi selecionado entre títulos como Minha Mãe é uma Peça 3, Jovens Polacas, Marighella, Todos Os Mortos, entre outros - confira a lista completa no site da ABC. Agora, Babenco disputará uma vaga na categoria de Melhor Filme Internacional. A categoria, inclusive, recebe sim documentários ocasionalmente: em 2020, a Macedônia do Norte conseguiu uma indicação por Honeyland, que também disputou em Melhor Documentário.

Adiada por conta da pandemia do coronavírus, a cerimônia de entrega do Oscar acontecerá em 25 de abril de 2021.

Fonte: Omelete // Arthur Eloi