Aves de Rapina | Diretora comenta bilheteria do filme

Publicado em 04/04/20 00:00

Um dos principais lançamentos da DC nos cinemas em 2020, Aves de Rapina (Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa) levantou diversas discussões após seu lançamento nos cinemas, em fevereiro. Apesar de receber grandes elogios da crítica e do público (o filme registra 78% de aprovação de ambos no site RottenTomatoes), o longa de Cathy Yan foi alvo de xingamentos e boicotes antes mesmo de sua estreia. Mesmo limitado pela censura para maiores e pela exibição encurtada pela pandemia do COVID-19, o filme arrecadou mais que o dobro de seu orçamento, mas a bilheteria de US$ 201,8 milhões ainda foi classificada como “decepcionante” por alguns críticos mais ácidos da produção estrelada por Margot Robbie.

Em entrevista ao THR, Yan lembrou a sensação de decepção trazida pela arrecadação abaixo do esperado no final de semana de estreia de Aves de Rapina. “Sei que [a Warner Bros.] tinha expectativas muito altas para o filme – todos tínhamos. [Também queríamos] desfazer as expectativas em torno de um filme protagonizado por mulheres e o que mais me decepcionou nisso foi a ideia de que talvez não estejamos preparados [para esse tipo de produção]”, afirmou a diretora, que disse também já se sentir pressionada por ser uma cineasta não-branca comandando um blockbuster.

Eu acho que existem certas formas de interpretar o sucesso ou o fracasso do filme, e todos têm esse direito. Mas eu sinto que todo mundo foi extremamente rápido para escolher um lado”, disse Yan sobre as análises das cifras de Aves de Rapina lançadas ao longo de suas primeiras semanas de exibição.

Aves de Rapina acompanha a jornada de Arlequina (Margot Robbie) após o término de sua relação com o Coringa. Com diversas gangues de Gotham em seu encalço, o caminho da Palhaça acaba se cruzando com o de Canário Negro (Jurnee Smollett-Bell), Renee Montoya (Rosie Perez) e Caçadora (Mary Elizabeth Winstead), mulheres que também estão em busca de sua liberdade. O longa arrecadou US$ 201,8 milhões no mundo, partindo de um orçamento de US$ 84,5 milhões. O filme já está disponível em plataformas on demand no Brasil.

Fonte: Omelete // Nicolaos Garófalo