Gerhard Richter

Gerhard Richter (Dresden, 9 de fevereiro de 1932) é um pintor alemão.

Crescendo debaixo do Nacional-Socialismo e viveu durante mais 16 anos debaixo do comunismo da Alemanha Oriental antes de se mudar para a Alemanha Ocidental, em 1961. Entre 1952 e 1957 estudou na Kunstakademie de Dresa nova fase na sua carreira no difícil meio artístico que se desenvolveu em Colónia e Düsseldorf na década de 1960. Mudou-se para Düsseldorf onde trabalhou como técnico de fotografia num laboratório. De 1961 a 1964, estudou na Staatliche Kunstakademie de Düsseldorf. Neste cenário descobriu o expressionismo abstracto e uma série de tendências avant-garde formando laços de amizade com outros artistas da sua geração, como Sigmar Polke. Identificavam-se como artistas alemães pop, mas foram também, por um breve período, iniciadores de uma variante satírica do pop a que chamavam "realismo capitalista".

Em 1962 iniciou pinturas que fundiam a iconografia jornalística e retratos de família com um realismo austero baseado na fotografia. Richter estabeleceu o seu percurso através de um enredo de "ismos" que prosperavam à sua volta.

A primeira exposição individual de Richter foi realizada numa loja de móveis (Möbelhaus Berges), em Düsseldorf, em 1963. Nesta exposição o artista apresentou pela primeira vez o estilo fotografia-pintura, tendo utilizado fotografias de paisagens, retratos e naturezas-mortas como base para as suas pinturas. O artista esborratou as imagens ou objectos apresentados, afastando-se da pintura figurativa tradicional, de forma a diferenciar a pintura da fotografia. Em 1967, Richter ganhou o prémio de arte Junger Westen da cidade de Recklinghausen na Alemanha. Foi nesta altura que Richter começou a sua fase "construtivista" que incluiu trabalhos como Color Charts, Inpaitings, Gray Paintings e Forty-eight Portraits, assim como o trabalho com espelhos.

No início da década de 1970 evoluiu para uma pintura monocromática sóbria que evocava a corrente minimalista, mas com uma diferença significativa no que respeita ao objectivo e ao sentimento. No final da década de 1970 e início da década de 1980, as pinturas sobre tela de cores brilhantes e ousadamente delineadas sugeriam mas também diferiam da pintura pirotécnica neo-expressionista que estava então em voga. Em toda a sua carreira, Richter cultivou no seu trabalho um modo subtilmente romântico e aparentemente antimodernista.

Em 1988, Richter produziu um ciclo de 15 pinturas a preto e branco intituladas October 18, 1977, baseado em fotografias de imprensa sobre o grupo Baader-Meinhof - um bando de radicais alemães que morreram numa prisão de Estugarda naquela data em circunstâncias trágicas e altamente controversas. Este grupo de pinturas marca um ponto de viragem na carreira de Richter.

Não tão conhecidos mas não menos visualmente revolucionários são impressões (sobre papel fotográfico) e objectos que produz em edições de algumas centenas, dando àqueles que não têm acesso aos níveis elevados do mercado da arte a possibilidade de adquirir um trabalho de um dos mais notáveis artistas do século XX.

Sob todos os aspectos na sua arte, Richter assumiu uma distância céptica de vanguardistas e conservadores no que respeita ao que deveria ser a pintura, escolhendo, em vez disso, testar os limites do que ele como artista poderia criar fora das convenções formais e do legado ideológico contraditório. O resultado, paradoxalmente, tem sido a mais completa "desconstrução" dessas convenções e, ao mesmo tempo, um dos mais convincentes exemplos de renovada vitalidade na pintura dos finais do século XX e inícios do século XXI.

A produção artística de Gerhard Richter pode ser inserida em três categorias: figurativa, isto é, todas as pinturas são baseadas na fotografia ou na natureza; construtivista, trabalho mais teorético como tabelas de cor, painéis de vidro e espelhos; e abstracta, quase todo o trabalho realizado desde 1976 excepto naturezas-mortas e paisagens.

A variedade no seu trabalho não indica uma falta de interesse pela realidade mas uma grande confiança ao apresentar modelos diferentes de forma a transmitir isso mesmo. De facto, a começar pelo seu primeiro trabalho, Richter tem facilmente combinado, nas suas pinturas, tanto a figuração como a abstracção. Richter tem um corpo de trabalho importante no campo da pintura, mas fez também peças com vidros e espelhos além do seu Atlas, uma colecção de imagens fotográficas por ele recolhidas, sendo que muitas delas serviram de base para as suas pinturas foto-realistas.

Em 1972, o trabalho de Richter foi escolhido para representar a Alemanha na Bienal de Veneza, onde apresentou o trabalho 48 Portraits. Nesse mesmo ano, participou na Documenta de Kassel na Alemanha, onde expôs novamente em 1977, 1982 (ganhou o Prémio Arnold Bode) e 1987. A sua primeira exposição retrospectiva aconteceu no Kunsthalle em Bremen de 1976, onde apresentou uma selecção de trabalhos realizados entre 1962 e 1974. Em 1988 teve a sua primeira exposição retrospectiva no EUA no Museu de Arte Contemporânea de Chicago (itinerou para Washington D.C. e São Francisco).

Richter é professor na Staatliche Kunstakademie de Düsseldorf desde 1971. Em 1983, o artista mudou-se para Colónia, onde reside.

Em 2009, a sua obra Claudius, avaliada em R$ 3,6 milhões, foi apreendida pela Receita Federal do Brasil no Aeroporto Internacional de Viracopos em Campinas, São Paulo, devido a entrada no país com documentos falsos. Em 27 de abril de 2010 foi doada ao Instituto Nacional de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e desde então integra o novo acervo de arte contemporânea do Iphan, instalado no Paço Imperial no Rio de Janeiro.