Michael B. Jordan fala sobre perda de Chadwick Boseman: “queria ter mais tempo”

Publicado em 25/02/21 16:00

Em entrevista para a Vanity Fair, o ator Michael B. Jordan falou sobre a perda de Chadwick Boseman, astro de Pantera Negra que morreu em 2020 por conta de um câncer. Jordan contracenou com Boseman no longa da Marvel e falou sobre a relação pessoal que os dois criaram:

“Nosso relacionamento era muito pessoal e teve vários grandes momentos - alguns que eu não aproveitei o suficiente e não tinha entendido até agora. Gostaria de ter mais tempo para nosso relacionamento evoluir, crescer, e se tornar mais próximo e forte. Tivemos uma dose concentrada de Chadwick. Ele fez mais em 43 anos do que a maioria das pessoas faz em uma vida inteira. Ele ficou aqui pelo tempo que deveria, teve seu impacto e legado. Isso ficou claro com a quantidade de amor que ele recebeu das pessoas ao redor do mundo. Há gerações inteiras de crianças que virão e olharão para ele. Isso é incrível. Perdê-lo foi… Machuca, machuca muito. Isso foi o que mais me fez chorar em 2020”.

Boseman, que ficou conhecido por interpretar o rei de Wakanda, T'Challa, nos cinemas, morreu aos 43 anos, vítima de um câncer de cólon. A notícia pegou os fãs e equipe da Marvel de surpresa, já que o ator não tinha falado sobre sua doença para ninguém:

“Ele é uma pessoa incrível. Sua família e esposa são muito fortes. As pessoas que ele tinha ao seu redor são realmente especiais. Manter algo assim em segredo por tanto tempo - é quase impossível fazer algo assim. Isso ressoa com o tipo de pessoa que ele era, de continuar trabalhando duro até os seus últimos momentos. É realmente incrível”, completou Jordan.

Meses após a morte do ator, Kevin Feige afirmou que Pantera Negra 2 ainda vai acontecer, mas não escalará outro ator para o lugar de Chadwick Boseman. A ideia, segundo o presidente do Marvel Studios, é "explorar o mundo de Wakanda".

Lançado em 2018, Pantera Negra, o filme, foi um dos maiores sucessos do estúdio Marvel, vencendo 3 Oscars e arrecadando mais de US$ 1,3 bilhão nas bilheterias.

Fonte: Omelete // A cozinha