"GoT": Ator quis que seu personagem morresse fora de cena para "zoar roteiristas"

Publicado em 13/05/19 20:00

ATENÇÃO: Este texto contém spoilers de "Game of Thrones". Não leia se não quiser saber o que acontece.

Pilou Asbaek confessou que estava "tirando sarro" dos showrunners David Benioff e D.B. Weiss quando decidiu não encenar a morte de seu personagem, Euron, em "Game of Thrones". O ator disse ao site do The Wrap que foi sua escolha fazer com que Euron morresse fora de cena.

"Eu quis fazer isso porque pensei que seria divertido provocar os caras [Weiss e Benioff]", admitiu. "A cena obviamente foi escrita com Euron morrendo, e o diretor [Miguel Sapochnik] também queria filmar dessa forma, onde víamos o personagem de fato morrendo".

"Eu não queria fazer isso. Então eu disse: 'E se ele não morresse em cena? E se ele só desse um sorriso estranho e a cena cortasse?'. No fim eles me deixaram fazer como eu queria", completou.

Divulgação/HBO
Pilou Asbaek como Euron Greyjoy em "Game of Thrones" Imagem: Divulgação/HBO

Asbaek ainda respondeu se Euron acreditava de fato ter matado Jaime Lannister, como afirmou em suas últimas palavras em cena. Apesar do personagem ter acertado duas facadas no Regicida, Jaime saiu andando e se reencontrou com Cersei, morrendo esmagado pelos destroços da Fortaleza Vermelha.

"Às vezes, como ator, você precisa desligar o seu cérebro e fazer o que os roteiristas e o diretor mandam", brincou ainda. "Não, eu acho que ele é esse tipo de cara, mesmo. Ele está em negação. Ele só quer ver o mundo queimar, sabe o que eu quero dizer? Ele só quer ver gente morrendo".

É a mesma lógica que Asbaek usa para justificar a decisão de Euron de voltar para as praias de Porto Real ao invés de fugir. "Eu poderia te dar uma longa lista de motivos, mas às vezes o ator chega a um ponto em que tem que fazer a cena que lhe é dada", comentou.

"Eles [Benioff e Weiss] queriam ver Jaime e Euron lutando. Eu acho que eles queriam ver dois dinamarqueses saindo na mão", brincou ainda, lembrando que ele e Nikolaj Coster-Waldau são compatriotas.

Fonte: UOL Cinemas // Caio Coletti