Após saída da Petrobras, Festival Anima Mundi recorre a financiamento coletivo

Publicado em 09/05/19 15:00

O Festival Anima Mundi, considerado o maior da animação da América Latina, abriu financiamento coletivo na plataforma Benfeitoria para a realização de sua 27ª edição, prevista para julho no Rio e em São Paulo.

Os organizadores correm contra o tempo após o governo federal retirar o patrocínio da Petrobras, que correspondia a cerca de 35% da cota do festival, que tinha orçamento médio de R$ 3 milhões antes da crise.

O encontro do cinema, que também perdeu apoio do BNDES, encerrou inscrições em março com cerca 1.800 filmes, e o anuncio do fim dos aportes foi anunciado em maio.

A arrecadação visa bater R$ 400 mil até 27 de junho, com a quantia destinada a viabilizar apenas as mostras. Os organizadores ainda pretendem abrir outros financiamentos, incluindo para o Anima Forum, braço de mercado do festival, no valor de R$ 200 mil.

Nesse primeiro momento, é possível contribuir com valores entre R$ 20 e R$ 20 mil, e as recompensas vão desde a exibição do nome nos créditos do festival ao passaporte para todas as sessões, entre várias outras.

"O festival ainda corre risco de não acontecer", diz ao UOL Cesar Coelho, diretor do Anima Mundi, que vem adotando o que chama de "estratégia de sobrevivência" para a realização do evento.

"Temos outros patrocinadores que estão prestes a assinar, o CCBB no Rio e o Itaú Cultural em São Paulo, mas, se a quantia não for atingida, talvez conseguiremos fazer apenas uma pequena mostra, em uma cidade."

Fonte: UOL Cinemas // Leonardo Rodrigues