Morre Stuart Gordon, diretor do terror cult A Hora dos Mortos-Vivos, aos 72

Publicado em 25/03/20 11:00

O cineasta Stuart Gordon, conhecido por assinar clássicos do terror como "A Hora dos Mortos-Vivos" (1985, também conhecido pelo título original "Re-Animator"), morreu ontem aos 72 anos. A família do diretor confirmou a morte à Variety, sem revelar a causa.

No clássico de 1985, inspirado por um conto de H.P. Lovecraft, contava a história de um jovem médico obcecado por descobrir um processo capaz de reverter a morte — seus experimentos começavam com tecido felino, mas logo pulavam para cadáveres humanos.

O longa de Gordon rendeu continuações em 1990 e 2003, com as quais o cineasta não esteve envolvido. Gordon preferiu construir uma carreira mais diversificada, voltando ao gênero que o consagrou para títulos como "Do Além" (1986), "O Poço e o Pêndulo" (1991), além da antologia televisiva "Mestres do Terror".

Em 1992, ele dirigiu Christopher Lambert na ficção científica "A Fortaleza" (1992), onde o ator vivia um pai de família confinado em uma prisão que fazia experimentos de controle mental, em história passada no (então longínquo) ano de 2017.

Já como roteirista, o norte-americano ajudou a criar a franquia de comédia "Querida, Encolhi as Crianças", em 1989, além de ter produzido várias das sequências; e assinou o filme de terror "O Dentista" (1996).

Os últimos anos da carreira de Gordon foram dedicados primariamente ao teatro. Ele fundou, com a mulher Carolyn Purdy, a Organic Theater Company, e chegou a dirigir a adaptação para o cinema de "Submundo" (2005), peça dramática de David Mamet.

O trabalho final do diretor no cinema foi "Em Rota de Colisão" (2007), drama inspirado em um caso de assassinato real e estrelado por Mena Suvari. Gordon deixa a mulher, Carolyn, as filhas Suzanna, Jillian e Margaret, quatro netos e seu irmão, David George Gordon.

Fonte: UOL Cinemas // UOL