Ben Whishaw diz que franquia 007 precisa de mudança radical após saída de Craig

Publicado em 28/09/21 23:00

O ator Ben Whishaw disse que a franquia de 007 precisa de uma mudança radical após a saída de Daniel Craig. O atual astro de James Bond deixará o papel após Sem Tempo para Morrer.

Com a saída de Craig, os produtores sairão à procura de um novo nome para viver o espião, em 2022, e escalar uma mulher, um negro ou um LGBTQIA+ não está descartado — apesar de o atual protagonista não apoiar a ideia.

Diferente de Craig, Whishaw apoia mudanças radicais na franquia. "Se eles querem continuar com esse personagem e a franquia, acho que você pode explodi-lo e fazer qualquer coisa", disse ele à Variety. "Eu não sei o que deveria ser, mas deveria ser algo bastante radical, algo realmente diferente. Tem que mudar, tem que continuar mudando. Estamos em tempos diferentes agora".

O ator considerou que muitos fãs seriam contra mudanças drásticas na estética dos próximos filmes, mas ponderou que é possível inovar e, ao mesmo tempo, respeitá-los. "Sempre haverá pessoas que querem que ele se atenha ao que era sempre atrás, e eles são importantes, porque amam esses filmes", disse. "Acho que você pode fazer duas coisas. Você pode honrar o personagem e a tradição, e você também pode empurrá-lo para a frente. E eu acho que você tem que mudar, se não [James Bond] vai se tornar uma espécie de peça de museu".

No início de Sem Tempo Para Morrer, James Bond (Craig) está aposentado da vida de agente, mas sua paz é interrompida quando o velho amigo Felix Leiter (Jeffrey Wright), que trabalha na CIA, pede sua ajuda, o que coloca Bond na trilha de um novo vilão armado com uma perigosa tecnologia.

Voltam ainda ao elenco Léa Seydoux como Madeleine, Ralph Fiennes como M, Christoph Waltz como Blofeld e Whishaw como Q.

O longa é dirigido por Cary Joji Fukunagae a previsão de estreia no Brasil é em 30 de setembro.

Omelete agora tem um canal no Telegram! Participe para receber e debater as principais notícias da cultura pop (t.me/omelete).

Fonte: Omelete // Pedro Henrique Ribeiro