Lineu Dias

Linneu Moreira Dias (Sant'Ana do Livramento, 5 de outubro de 1927 — Rio de Janeiro, 3 de agosto de 2002) foi um ator, contista, poeta, dramaturgo e tradutor brasileiro.

Foi casado com a atriz Lilian Lemmertz e é pai da atriz Julia Lemmertz.

Teve sua estréia no teatro aos 25 anos em Porto Alegre, onde participou da juventude do Teatro do Estudante e do Teatro Universitário. Cursou Interpretação e Direção Teatral na Yale Drama School e foi professor de Interpretação na UFRGS.

Como escritor colaborou na revista literária Crucial, teve seus contos publicados nos jornais Correio do Povo, Estado de Notícias, O Estado de São Paulo e na Revista do Globo. Foi crítico de cinema e de dança.

Atuou durante quatro décadas no cinema, teatro e televisão.

Em 1995 recebeu o Prêmio Sharp de Melhor Ator por sua interpretação na peça Minh’Alma, Alma Minha, peça de sua autoria.

Seu último trabalho foi em 2001, na minissérie Presença de Anita. Morreu um ano depois, por falência de múltiplos órgãos.

Em 2003, foram publicados seus poemas no livro Urbia.

Os Espectros (Henrik Ibsen)

Andorra

Os Inimigos

Hedda Gabler

O Interrogatório

Hamlet

Fedra

Louco de Amor

Calígula

A Última Gravação

Becktianas#3

Fim de Jogo

Homem Branco e Pele Vermelha

Cândido, ou O Otimismo de Voltaire

Tradução de peças teatrais

Dias sem Fim, de Eugene O’Neill

Festa de aniversário, de Harold Pinter

A Dança da Morte, de Strindberg

A Importância de ser Ernesto, de Oscar Wilde

Dois na Gangorra, de William Gebson (encenada em São Paulo com Lílian Lemmertz e Juca de Oliveira)

A Bilha Quebrada, de Kleist (encenada, sob sua direção, pelo Teatro Universitário/RS)

Prêmio Sharp de Melhor Ator ( 1995) por sua interpretação na peça “Minh’Alma, Alma Minha”, de sua autoria.