Giovana Antonelli

Giovanna Antonelli (Rio de Janeiro, 18 de março de 1976) é uma atriz e empresária brasileira. Ao longo da carreira conquistou diversos prêmios, como Prêmio Extra de Televisão, Prêmio Qualidade Brasil, Melhores do Ano e Troféu Imprensa.

Iniciou a carreira em 1991 como Angelicat, assistente de palco da apresentadora Angélica, no programa Clube da Criança da extinta Rede Manchete. Em 1994, estreou como atriz em Tropicaliente, emendando outros papéis consistentes em Tocaia Grande, Xica da Silva, Corpo Dourado, Força de um Desejo e Malhação. Em 2000 ganhou destaque em Laços de Família como Capitu, que se prostituía para sustentar o filho.

Em 2001, interpretou sua primeira protagonista em O Clone, a muçulmana Jade, que vivia um amor impossível com um brasileiro, expondo então os conflitos culturais e religiosos que permeiam as relações humanas. Com este papel ganhou diversos prêmios, passando a ter grande reconhecimento da imprensa internacional. Alçada ao primeiro escalão de atores da Rede Globo, emendou uma sequência de papéis centrais de sucesso como na minissérie A Casa das Sete Mulheres (2003), e nas telenovelas Da Cor do Pecado (2004), Viver a Vida (2009), Aquele Beijo (2011), e Em Família (2014) e A Regra do Jogo (2015), além de retomar a parceria com Glória Perez interpretando a destemida delegada Helô nas obras Salve Jorge (2012) e Travessia (2022), e protagonizar Sol Nascente (2016) e Segundo Sol (2018) - onde interpretou uma mulher de origem japonesa e uma baiana, respectivamente - trabalhos que se tornaram polêmicos devido à falta de representatividade e yellowface em seus elencos.

Antonelli também se destacou no cinema em longas-metragens, como Avassaladoras (2002) e Maria, Mãe do Filho de Deus (2003), além da franquia S.O.S. Mulheres ao Mar (2014–15).

Em 1991, Giovanna Antonelli começou a carreira como Angelicat, como eram chamadas as assistentes de palco da apresentadora Angélica, no programa Clube da Criança da extinta Rede Manchete, onde permaneceu só por alguns meses. Em 1992, retornou brevemente ao grupo depois que o programa passou a ser exibido no período da manhã e pouco tempo depois o programa retornou para o período da tarde. No mesmo ano, saiu em definitivo do grupo depois que as gravações do programa foram transferidas do Rio de Janeiro para São Paulo. Em 1994, passou nos testes da Rede Globo, estreando como atriz na novela Tropicaliente, de Walther Negrão, exibida entre maio e dezembro daquele ano. Aos 18 anos, Giovanna interpretava a personagem Benvinda na novela. Logo após, voltou à Manchete para atuar nas tramas Tocaia Grande (1995), de Duca Rachid, Mário Teixeira e Marcos Lazarini, como a protagonista Ressú, e Xica da Silva (1996), de Walcyr Carrasco, como Elvira, a vilã da trama. A personagem fazia parte de um triângulo amoroso e teve um grande destaque. Depois do sucesso na Manchete, voltou à Globo, onde atuou como Judy em Corpo Dourado (1998), de Antônio Calmon, fazendo um triângulo amoroso com os personagens de Felipe Camargo e Fábio Jr. Após uma participação como a prostituta Violeta, na novela Força de um Desejo, de Gilberto Braga, integrou o elenco da primeira temporada do Colégio Múltipla Escolha na série Malhação, interpretando a personagem Isa, filha do personagem de Nuno Leal Maia.

Em 2000, a atriz despontou para o grande público, ao interpretar outra prostituta, Capitu, de Laços de Família, novela de Manoel Carlos. A química com seu par romântico, o ator Luigi Baricelli, cativou o público e a crítica, recebendo vários elogios e ganhando os prêmios de Atriz Revelação e dois de Melhor Atriz. Também em 2000, estreou no cinema com o filme Bossa Nova, sob a direção de Bruno Barreto, fazendo uma pequena participação.

Em 2001, após o sucesso de Laços de Família, a atriz interpretou a protagonista Jade, uma muçulmana dividida entre o amor e as obrigações religiosas, na novela O Clone de Gloria Perez. Sua personagem ditou moda nas ruas com véus, joias e maquiagens exóticas que caracterizaram a muçulmana. Além do grandioso sucesso no Brasil a personagem conquistou fãs em vários países do mundo nos quais a novela foi exibida. A novela lhe rendeu seis prêmios, sendo um deles o Prêmio Contigo de Melhor Par Romântico com Murilo Benício. Em 2002, no filme Avassaladoras, foi Laura, uma mulher bem-sucedida que procura um namorado por meio de uma agência de casamentos. No filme, fez par romântico com Reynaldo Gianecchini, com quem contracenaria em outros trabalhos na TV. A participação no filme rendeu a atriz o Prêmio Lente de Cristal de Melhor Atriz no Festival de Cinema Brasileiro em Miami.

Em 2003, Giovanna estrelou a minissérie A Casa das Sete Mulheres, de Maria Adelaide Amaral e Walther Negrão, interpretando Anita Garibaldi. Nessa época, recebeu vários elogios pela sua desenvoltura, originalidade e pela maneira com que se desvencilhou da marca da sua personagem anterior Jade, que a lançou ao estrelato no Brasil. Ainda neste ano interpretou a Virgem Maria, no filme Maria, Mãe do Filho de Deus, com direção de Moacyr Góes e no teatro com A Paixão de Cristo. Sua atuação no filme foi elogiada por alguns críticos, mas criticada por outros que acharam que a atuação da atriz carecia de mais brilho.

Em 2004 interpretou na novela Da Cor do Pecado, de João Emanuel Carneiro, a personagem Bárbara, fazendo com que Giovanna tingisse seus cabelos de louro. Principal antagonista da trama foi sua primeira vilã na carreira, recebendo elogios da crítica por ter conseguido apagar da memória as personagens com fama de boa moça que fez anteriormente. No teatro, fez com o ator Murilo Benício a peça Dois na Gangorra, dirigida por Walter Lima Júnior e no cinema o filme A Cartomante, com direção de Wagner de Assis e Pablo Uranga. O filme em si foi extremamente criticado, sendo considerado um dos piores filmes de 2004.

Em 2007, após dois anos e meio reclusa da TV, voltou ao vídeo como Delzuite, protagonista da primeira fase da minissérie Amazônia, de Galvez a Chico Mendes, de Glória Perez. No mesmo ano, foi a protagonista da novela Sete Pecados, de Walcyr Carrasco, onde sua personagem Clarice viveu um triângulo amoroso com Dante (Reynaldo Gianecchini) e Beatriz (Priscila Fantin). Atuou ainda no longa Caixa Dois, dirigido por Bruno Barreto, com o papel de uma secretária de um poderoso banqueiro, usada como laranja para que ele receba um cheque de 50 milhões de reais. Sua atuação recebeu uma crítica negativa, que considerou sua participação "o ponto fraco da trama".

Em 2008, Giovanna mostrou seu lado cômico, interpretando a atrapalhada e desajeitada Alma Jequitibá, uma das protagonistas da novela Três Irmãs, de Antônio Calmon. Médica ginecologista e obstetra, Alma fica dividida entre dois amores: o personagem de Bruno Garcia e o personagem de Rodrigo Hilbert. No cinema, filmou "The Heartbreaker", uma produção entre Brasil e Estados Unidos, com direção de Roberto Carminati. O longa foi filmado em Florianópolis e Boston e viria a ficar pronto em 2010 e seria lançado dois anos após sua finalização, no dia 14 de fevereiro de 2012.

Em 2009, a atriz voltou aos cinemas, no filme Budapeste, dirigido por Walter Carvalho, baseado no livro de Chico Buarque. No filme, a atriz aparece nua pela primeira vez no cinema como uma egocêntrica apresentadora de telejornal.

Ainda em 2009, interpretou o papel de Dora na novela Viver a Vida, marcando a volta da atriz numa novela de Manoel Carlos após quase 10 anos. Na trama, Giovanna interpretou Dora, uma moça humilde que vai para Búzios para tentar uma vida nova e fugir de seu ex-marido que é bandido e pai de sua filha, Rafaela (Klara Castanho). Lá ela conhece Marcos (José Mayer), com quem vive um romance, e reencontra o amigo argentino Maradona (Mario José Paz). No decorrer da trama, Dora fica grávida e não sabe qual dos dois é o pai. Seu papel foi bem recebido pelos críticos, que avaliaram que a atriz desbancou Helena (a protagonista da trama) e roubou a cena. Ainda em 2010, a atriz interpretou a madrasta de Chico Xavier e seus irmãos na adaptação da obra de Chico Xavier, no filme de mesmo nome.

Em 2011, Giovanna integrou o elenco da novela Aquele Beijo, de autoria de Miguel Falabella, interpretando a protagonista Cláudia. A personagem de Giovanna, Cláudia é traída por seu namorado, Rubinho (Victor Pecoraro), com a filha da empregada da casa dele. Ela viaja a Cartagena, na Colômbia, a trabalho e no aeroporto conhece Vicente (Ricardo Pereira), um procurador estadual, que está indo para o mesmo lugar a fim de acabar com o noivado da amada dele. Os dois se tornam grandes amigos e acabam se apaixonando. Pela sua personagem, Giovanna foi indicada ao prêmio de Melhor Atriz no Prêmio Contigo. No ano seguinte foi a protagonista do episódio "A Venenosa de Sampa", da série As Brasileiras, de Daniel Filho. No episódio, a atriz interpreta uma socialite que faz de tudo para sua rival não ir com o vestido igual ao seu em uma festa.

Em 2012, despontou na pele da delegada Heloísa, uma das protagonistas da novela Salve Jorge, de Gloria Perez. A personagem conquistou o público, principalmente por seu carisma e estilo, tendo suas roupas e acessórios os mais desejados entre as mulheres. Em 2014, integrou o elenco da novela Em Família de Manoel Carlos, em que interpretou a personagem Clara, casada com Cadu (Reynaldo Gianecchini), mas que larga o marido para viver com a fotógrafa Marina (Tainá Müller). Ainda em 2014, a atriz protagonizou o longa S.O.S. Mulheres ao Mar, uma comédia romântica. Na trama, Giovanna interpreta Adriana. Sua personagem foi bem recebida pelos críticos e o longa se tornou um grande sucesso de bilheteria, sendo confirmada uma continuação para 2015.

Em 2015 é convidada para participar da novela de João Emanuel Carneiro, A Regra do Jogo, no papel da vilã Atena Terremolinos. Sua personagem foi o grande destaque da novela, despontado a protagonista. Diante seu grande destaque na novela Salve Jorge com seu parceiro de cena Alexandre Nero, ambos fizeram par romântico novamente com o casal Romena (Romero e Atena). Em 2016, Antonelli é convidada para participar da nova novela das 6, de Walther Negrão e Suzana Pires, Sol Nascente interpretando a protagonista Alice Tanaka, filha de Kazuo Tanaka (Luis Mello) e fazendo par romântico com Mario (Bruno Gagliasso) e César (Rafael Cardoso).

Em 2018, retorna ao horário nobre como a protagonista Luzia em Segundo Sol, de João Emanuel Carneiro, uma mulher humilde e batalhadora, que após sofrer um grande golpe e ser injustiçada, tem que deixar sua vida para trás, mas regressa anos depois, afim de reconstruir e conseguir sua vida de volta. Em 2021, Giovanna é uma das quatro protagonistas de Quanto Mais Vida, Melhor!. Na trama ela é Paula Terrare, uma mulher egocêntrica e viúva, dona da Cosméticos Terrare, sofre para manter a empresa em pé. Ela também sofre com a concorrência de Carmem (Júlia Lemmertz), dona da Wollinger, empresa de cosméticos, que aos poucos vai tirando os holofotes dela. Paula inesperadamente sofre um acidente que tira a vida dela, mas recebe uma nova chance da Morte.

Dez anos depois da parceria em Salve Jorge, a autora Glória Perez convida Alexandre Nero e Giovanna Antonelli para reviverem o casal Helô e Stênio em seu novo trabalho no horário das nove, Travessia, prevista para o segundo semestre de 2022. Novamente foram destaque e roubaram o protagonismo.

Giovanna Antonelli é descendente de italianos, Em 1998, começou a namorar o empresário Ricardo Medina, com quem se casou em 8 de março de 2000. O casal divorciou-se em fevereiro de 2002.

Em 2002, durante a telenovela O Clone, começou a namorar ator Murilo Benício. No mesmo ano eles foram morar juntos e ficaram noivos, mas a união conjugal terminou em janeiro de 2004. De abril a maio daquele ano namorou com o empresário Alexandre Accioly. Em junho voltou a namorar com Murilo Benício, e em setembro voltaram a morar juntos. O casal tem um filho chamado Pietro Antonelli Benício, nasceu de parto cesariana, no Rio de Janeiro, em 24 de maio de 2005. Em outubro a união estável chegou ao fim definitivamente.

Em dezembro daquele ano começou a namorar o empresário norte-americano Robert Locascio, e em poucas semanas de namoro foram viver juntos. Eles oficializaram a união em 5 de maio de 2007, em uma cerimônia civil e religiosa na Itália. Em setembro, o casal divorciou-se. De 2007 a 2009 namorou o empresário Arthur Fernandes.

No final de 2009 começou a namorar o diretor Leonardo Nogueira. O casal foi viver junto após um mês de namoro. Em 8 de outubro de 2010, deu à luz as filhas do casal: as gêmeas idênticas Antônia e Sofia, também nascidas através de cesariana, no Rio de Janeiro. Por muito tempo desejou ter um quarto filho, mas desistiu por questões profissionais.